<$BlogRSDUrl$>

21 julho 2004

Acabar com os atropelamentos - método checo 

"Polícia tenta parar peões a tiro de pistolaUm polícia de trânsito checo abriu fogo numa rua da cidade de Pilsen, depois de ter tentado, de várias formas, persuadir um grupo de peões a não atravessarem numa passadeira com o semáforo vermelho, noticiou, ontem, a Imprensa checa.

"O polícia disparou os tiros com a sua arma de serviço", confirmou a porta-voz da Polícia, Michaela Altmannova. Um dos tiros atingiu um automóvel, mas nenhuma pessoa ficou ferida. "

JN, 21 Julho 2004

13 julho 2004

parceiro altamente científico para a DGV/PRP 

Para não dizerem que o cão morto não dá ideias construtivas, venho por este meio propor um parceiro técnico-científico de excelência para colaborar nos dignos (ausentes mas dignos…) projectos de investigação levados a cabo pela dupla magnífica DGV/PRP – veja aqui

Mais uma campanha completamente inútil 

confira aqui

Mais uma campanha concebida pelos génios da DGV e lambe-botas da PRP.
Gastam balúrdios a fazer cartazes e afins, pagam à BBDO (e não deve ter sido pouco) para realizar a campanha tudo no excelente propósito de proteger os peões.
Como até um cão sarnoso sabe as passagens de peões em Portugal são, na sua esmagadora maioria, mal concebidas, mal pintadas, mal colocadas, derrapantes, invisíveis. A responsabilidade da sua implementação é das câmaras municipais. Ora para projectar correctamente uma passagem de peões é necessário ter conhecimentos em engenharia de tráfego. Engenheiros de secretária temos muitos em Portugal, agora de tráfego…???

Curiosamente a campanha vai ser apresentada pela DGV e PRP. Logo duas entidades que não fazem investigação rodoviária. Se não acreditam, procurem nos respectivos sites www.dgv.pt e www.prp.pt informação sobre projectos de investigação em curso.

Na verdade seria “melhor parar por aqui” e criar, na linha das recomendações da Organização Mundial de Saúde e da Comissão Europeia, um organismo nacional de pesquisa e coordenação de todas as acções de prevenção rodoviária. Mas qual quê?

A ignorância sempre foi arrogante

12 julho 2004

I'm back 

Estive internado sim… mas voltei. Não sei para quê, está tudo na mesma. A segurança rodoviária deve ser o único assunto em Portugal de que é possível estar afastado meses e afinal não se perdeu grande coisa.
É que ESTÁ TUDO NA MESMA MESMO!

14 fevereiro 2004

Novo ataque do nevoeiro maligno 

Mais uma vez…
Notícia na sic notícias de mais um acidente em cadeia com 11 viaturas e 2 mortos. Foi dito que o acidente foi causado pelo nevoeiro.

Não. O nevoeiro não causa acidentes. Os condutores que circulam colados uns aos outros e em velocidade, sim. Portugal tem muitos defeitos mas o nosso nevoeiro não é maligno. Não é pior que o nevoeiro dos ingleses ou dos suecos.

Já agora poderiam também parar de falar de acidentes. Quando se estampam uns nos outros por circularem a meia dúzia de metros do carro da frente com uma visibilidade de palmo e meio o que daí resulta não são “acidentes” mas resultado da ignorância, incapacidade e excesso letal de auto-estima do condutor.

Em vez de acidente devemos falar de:
colisão
embate
choque
despiste
espeta
atropelamento

Acidente é que não.
Atentem nas palavras do director da Organização Mundial de Saúde quando este diz (num documento muito importante e actual mas que em terras lusas não se fala nem se conhece e que agora também não me apetece esclarecer.):

“Com demasiada frequência, a segurança rodoviária é abordada como um assunto da área dos transportes, não como um problema de saúde pública, e os traumatismos resultantes da circulação rodoviária tidos como “acidentes”, embora a sua grande maioria possa ser prevenida. Como resultado disto, muitos países esforçam-se muito menos a compreender e a prevenir os traumatismos em ambiente rodoviário do que a compreender e prevenir doenças que causam menos danos.” Dr. LEE Jong-wook

Estupidez é a incapacidade de aprender com os erros.

09 fevereiro 2004

fórum de segurança rodoviária  

Pois muito bem…
Pois muito mal…

Esta coisa do fórum de segurança rodoviária organizado pela subcomissão da comissão de obras públicas transportes e comunicações da assembleia da república é um sinal dos tempos. Ou então como os portugueses conseguem sempre mediocrizar mesmo as melhores ideias.

O texto de apresentação de tal iniciativa, comporta algumas ideias que puseram o pelo do cão todo eriçado. O referido texto está abaixo reproduzido e podem consultar o original em:

http://www.parlamento.pt/forumrodoviario/apresentacao.html

---------------------------------------------------------------------

Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações | Subcomissão de Segurança Rodoviária

Apresentação

A Assembleia da República, no âmbito da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações, deliberou em 2002.Julho.23, criar a Subcomissão de Segurança Rodoviária. Decisão que se prende com a necessidade, por todos sentida, de dar um combate sem tréguas à elevada sinistralidade rodoviária existente nas nossas vias de comunicação.
Malgrado o que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos nesta área, muito e muito, ainda há para fazer. Não nos resignamos que a mobilidade rodoviária dos cidadãos, sempre crescente, tenha um preço tão elevado. Actuar nas rodovias melhorando o ambiente rodoviário é uma preocupação, um dever que por todos deve ser partilhado. As infra-estruturas de transporte para funcionarem eficazmente, não podem provocar sacrifícios, muitas vezes mortais nos seus utentes.
É igualmente necessário educar, sensibilizar os utentes da via pública de quem, em função do seu comportamento, quase tudo depende.
A Comunicação Social tem tido ao longo dos últimos anos um papel fundamental nesta interminável luta. Ela tem sido, é e será, o melhor veículo para alertar e modificar os comportamentos dos portugueses para os perigos que os espreitam nas nossas estradas.
O Fórum subordinado ao tema "Segurança Rodoviária", será certamente um contributo para atacar esta "epidemia invisível", que ao longo dos tempos a todos tem atingido.
Os oradores convidados, ilustres personalidades e grandes conhecedores dos temas a abordar, darão certamente contributos fundamentais para esta causa. A sua participação que pode ocorrer através deste site, será também, uma preciosa ajuda para que a nível da Assembleia da República se possam tirar conclusões e legislar de forma a combater este enorme flagelo.

Mota Andrade
Presidente da Subcomissão

---------------------------------------------


Repararam o que diz no 2º parágrafo: “Malgrado o que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos nesta área, muito e muito, ainda há para fazer”

Mas o que é que tem vindo a ser feito?

“Muito e muito” ???

Mas o senhor Mota Andrade não enxerga que NADA tem sido feito?
Se assim não fosse, as coisas não estariam melhores?

Diz também: “Os oradores convidados, ilustres personalidades e grandes conhecedores dos temas a abordar..”

Ora porra! Se são tão conhecedores e tão ilustres porque é que estamos na cauda da Europa.

Perante a desgraça da sinistralidade em Portugal temos de admitir que não temos entidades competentes mas pelo contrário altamente incompetentes.
Sem percebermos isto andamos aqui todos aos salamaleques uns aos outros e as pessoas continuam a morrer nas estradas.

Mas passemos à avaliação de alguns dos ilustres incompetentes, que poderão consultar em:

http://www.parlamento.pt/forumrodoviario/programa.html

O Nuno Magalhães até parece um indivíduo esforçado. O problema é que tem à sua volta ilustríssimos incompetentes.

Comandante geral da GNR Tenente General Carlos Mourato. O cão não duvida que o senhor que é tenente e general ao mesmo tempo possa ser um excelente comandante da GNR (que bem precisa). Agora que ele perceba alguma coisa de segurança rodoviária já é outro assunto.

Aparece no programa um tal Amadeu Pires Consultor. Este senhor não foi director da DGV? o tal organismo que não faz nada pela segurança? No tempo deste senhor parece que fazia ainda menos.
Então agora é consultor??? De quê? De segurança rodoviária??
ah…ah…ah…ah…ah

O Manuel Catarino, presidente do Instituto das Estradas. Não conheço o senhor e portanto é feio dizer mal de quem não se conhece. Mas o IEP???
Este instituto não foi aquele que veio substituir a JAE junta autónoma das estradas, desmoronada pela corrupção onde mais uma vez não foram apurados culpados? Bem… passando à frente.

José Miguel Trigoso. Já falei aqui noutra ocasião deste senhor, o eterno secretário-geral da PRP, que pela sua altíssima competência tem levado tão ilustre instituição privada a tão largos trabalhos em prol da segurança… (tenham dó!)

Poupem-me, que eu sou um cão já morto!!!

Parece que foi a partir de uma proposta dos Automobilizados que agora se dá este evento. Atenção ACA-M, que com tais companhias de tão ilustres oradores correm o risco de um dia virem a ser acusados de associação com malfeitores.

Poderia ser um cão suíço, inglês, sueco, irlandês, mas não…
Tive logo de nascer e morrer em Portugal.


02 fevereiro 2004

Operação "Varão 2003" 

A GNR anda cada vez mais por caminhos tortos.

O cão descobriu uma estranha campanha a que a GNR deu o nome de operação "Varão 2003"
?????????????????????????????



Comissão Distrital de Segurança Rodoviária ? 

No DN deste fim-de-semana vinha uma pequena notícia “Menos mortos em acidentes no Porto”. Inocente escrita que dava conta de em 2003 ter havido menos desgraças do que em 2002. Os números avançados foram divulgados por uma tal Comissão Distrital de Segurança Rodoviária do Porto.

O cão desconfia que a única ocupação desta tal comissão será a de fazer as contas (se é que não chegam já feitas) ao registo de acidentes da PSP e GNR.
Talvez este comentário seja injusto, pois a tal comissão deverá ter reunido em vários almoços e jantares, na preparação de tão árdua tarefa. Coisa que, além de trabalhosa, encerra vários perigos: naco de carne entalado na garganta; intoxicação alimentar; colesterol, etc.

Como a referida comissão, que ninguém sabe quem são nem quantos são nem quanto ganham nem se lavam os dentes entre refeições, só apresentou números, o cão propõe a alteração da designação para: Comissão Distrital de Contabilidade Rodoviária. Já que, parece, em assunto de prevenção não tocaram.

Talvez até seja melhor assim: não mexem, não estragam

Membros da comissão: apareçam se são homens!

01 fevereiro 2004

IP4 

Se o comandante dos bombeiros de Amarante diz que conhece a ocorrência de acidentes mortais em todas as curvas num troço de 20 e tal quilómetros no IP4, não seria fácil criar medidas de acalmia de tráfego e de vigilância nesse local?

Já agora, e tendo em conta a falta de meios actual da BT, poder-se-ia adoptar a técnica dos ingleses e belgas (entre outros) que usam maquetas de viaturas de fiscalização, colocadas estrategicamente na beira da estrada. A visão à distância daquilo que parece ser um carro da “brigada” é obviamente dissuasor de comportamentos parvos.

É claro que para as entidades portuguesas, o cartão, o papel e a madeira estão muito acima dos provimentos orçamentais e andar a mover as maquetas de um lado para o outro com frequência é uma chatice.

27 janeiro 2004

outra vez a taxa! 

Ontem na Sic... tal como as pessoas, os cães em Portugal só vêm televisão em vez de ler ou falar (ladrar) com a família - foi dito que o governo prepara uma possível baixa da taxa de alcoolémia (ou será alcoolemia) para 0,2 mas só para os jovens e condutores profissionais.

Bom... Baixar a taxa está correcto (cientifica e tecnicamente correcto) ao contrário do que alguns idiotas (pessoas com ideias tontas) do governo anterior vieram a achar e dar o dito por não dito com as consequências que se reconhecem. Mas apenas para os jovens e condutores profissionais? O que é um "condutor profissional"? Um condutor de pesados? Um taxista que faz umas horas? Um delegado de propaganda médica que faz 800 km num dia? Um distribuidor dos correios? Um GNR em patrulha?

Para além da distinção entre condutor profissional e não profissional não ser nem fácil nem clara, como é que para um, conduzir com 0,5 é mais ou menos perigoso do que para outro? Será que o governo assume que o "profissional" bebedor, por "ir aos treinos" aguenta mais a bebida?

E já agora quanto aos jovens: se o jovem deixar de o ser no limite do cartão-jovem (25 anos), será que aos 26 o álcool passa a fazer menos efeito?

Prepara-se mais um disparate legislativo, que leva a conversas inúteis, desprovidas de qualquer fundamento técnico.

O cão só espera que a PRP, perdão o Sr. Trigoso, não venha agora dizer que concorda com isto só para agradar ao secretário de estado.

Site Meter

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

desde 21 de Julho 2004